close
Eu não sou de dizer mal de nada, nem de ninguém, mas hoje estou tão furiosa e por isso não resisto em fazer um desabafo aqui no meu blog!
Ofereceram-me uns brincos para orelhas furadas de presente de aniversário de uma coisa chamada “Jóias Espirituais”. 
Como tenho um dos furos fechado, embora tenha uns adaptadores de mola, mas que não ficam bem em todos os gêneros de brincos, que era o caso, resolvi ir trocar.
A pessoa que mos ofereceu disse que eram de um quiosque no Centro comercial Campo Pequeno e  apenas me disse que não tinham talão de oferta mas que não fazia mal que eu podia lá ir trocá-los sem o recibo.
Assim o fiz!
Quando chego lá e expliquei ao Sr. que tinha recebido um presente e como eram uns brincos de furo e eu só posso usar de mola, precisava de os trocar.
Tal não é o meu espanto quando primeiro ele me diz que não se pode trocar porque por motivos de higiene não o podia fazer, eu ainda lhe disse, outra vez, para o caso de ele ainda não o ter entendido, que eu tinha um dos furos fechado e que já não usava brincos a não ser de mola e por isso estavam intactos que não os tinha sequer experimentado.
 O Sr. depois disse-me que não se efectuavam trocas nenhumas de qualquer tipo de peças pois era política da casa e ainda me mostrou um papel que tinham exposto a informar isso, para o caso de haver dúvidas.
 Das duas uma, ou a minha amiga não o leu, na altura que os comprou, tudo bem, “azar” o meu, ou o Sr. não a alertou para o facto, mesmo quando ela lhe pede o talão de oferta, pois como é obvio por ser um presente corre-se o risco da pessoa a quem o vamos oferecer até nem gostar e ser simpático poder trocar por outra peça qualquer que goste mais. 
Eu ainda tentei mais uma vez, o Sr. ligou para a gerente, ou seja lá quem foi e mais uma vez recebi um NÃO!
Como é que é possível abrir-se um negócio de bijuteria, atenção que não é lingerie, porque ai eu consigo perceber o facto de não se efectuar trocas em alguns artigos, e ter como política da casa não se efectuar trocas, ponto!!!!
Para mim, que até já tive uma loja, e sei que as pessoas muitas vezes abusam com as trocas pois são capazes de usar uma peça e depois vão devolvê-la, mesmo assim, não consigo entender este tipo de política, como é que se generaliza desta forma, no meu ver é pouco profissional,
anti-comercial e com certeza não ajuda nada a fidelizar clientes, eu pelo menos nem quero ouvir falar em  “Jóias Espirituais”… por muito que seja produto português
e que até possa ter peças giras.
Desculpem o desabafo é apenas a minha opinião que vale o que vale, mas não resisti em mostrar o meu desagrado.

4 Comentários

  1. Boa noite D.ª Alexandra Carmona,
    Lamento o seu desagrado mas são as normas dos meus estabelecimentos pois tenho que garantir aos meus clientes de que os artigos não foram utilizados, principalmente os brincos por questões de higiene. A Sr.ª dirigiu-se a um dos meus estabelecimentos sem o talão de compra exigindo uma troca (deveria de o ter pedido à sua amiga mesmo sendo um presente e assim teria verificado que nele está a informação bem visível de que não se efectuam trocas por questões de higiene, só por defeito).
    Ao contrário do que a Sr.ª julga estas normas de funcionamento criam confiança e fidelizam clientes.
    Tal informação está também exposta e bem visível nos meus estabelecimentos, portanto ninguém é obrigado a comprar.
    A Sr.ª sua amiga que lhe ofereceu os brincos informou-a muito mal pois estava bem informada das nossas normas no acto da compra tal como informamos todos os clientes.
    No que diz respeito aquilo que a Sr.ª chama de "coisa", é uma marca portuguesa que está registada no INPI com o nome de "Jóias Espirituais" e tem o seu atelier de criações na Travessa dos Fiéis de Deus 74-76 no Bairro Alto-Lisboa.
    A Sr.ª é livre de fazer os comentários que entender no seu blog ou onde quiser mas chamo a sua atenção de que está a utilizar indevidamente o logótipo da minha marca sem o meu consentimento.
    Apelo à sua compreensão.
    Com os meus cumprimentos.
    Paula Danova

  2. Primeiro eu não exigi nada, apenas pedi se me podiam efectuar a troca pois expliquei que era impossível ter usado os brincos porque tenho um dos furos fechado e como tal só uso brincos de mola, logo a questão da higiene deixa de ser relevante! Como calcula tenho pena de ter um presente que não o posso usar e penso que seria simpático de vossa parte compreender isso!
    Se acha que essas normas fidelizam clientes e que se cria confiança, no meu caso so ajudou a nao me tornar cliente! Lamento mas devemos ter noções diferentes de negocio e falo com experiência pois durante 10 anos tive uma loja de roupa, acessórios e bijuteria! Mas a Sra. tambem é livre de fazer do seu negocio aquilo que quiser! Como calcula não sao os brincos que me chateia mas toda a vossa falta de simpatia.
    Fique descansada que retirarei o seu logotipo do meu blog, mas manterei o meu desagrado!
    Cumprimentos
    Alexandra Carmona

  3. Realmente as pessoas por detrás de marcas ou lojas muitas vezes se esquecem que estão a lidar com…pessoas!!!…todas elas diferentes e por esse mesmo facto todas as regras implementadas deveriam ser seguidas como um código de conduta em casos gerais, mas, excepções deveriam ser tomadas em consideração tendo em atenção casos como o seu, que não usa nem nunca usou os brincos!!
    Com o argumento (ou desculpa) de que "regras são regras", esquecem-se que essas mesmas regras deviam ter como prioridade a boa relação entre cliente e loja/marca!! E muitas vezes por não se mostrarem minimamente flexíveis ou compreensíveis (estamos a falar de uma troca de uns brincos…não de alterações de taxas de juro de empréstimos!!!) – quando até muito teriam a ganhar com isso já que, não só a Alexandra ficaria satisfeita, como voltaria a comprar algum produto numa outra altura e ainda poderia ser que passasse palavra da sua satisfação e marca às suas amigas, fãs do blog, etc – não…apresentam dificuldades em coisas tão simples!!! Compreendo a sua revolta e lamento saber que uma loja de roupa,acessórios, etc que serve para uma mulher se distrair no seu mundinho, no seu refugio, e se sentir bem consigo mesma, tenha o efeito exactamente oposto…!!! Beijinhos
    Joana

  4. Queria so deixar aqui um comentário, pois sou seguidora desde blogue e revejo-me no texto/desabafo da Alexandra.
    Não chega ter uma loja aberta, com o interessa de fazer dinheiro. É pelo serviço que se presta que se consegue cativar um cliente.
    Se eu me dirigir a uma loja que me corta logo a possibilidade de troca, podem ter a certeza que nunca mais la volto. Nem sei se isso é legar. Se é, está errado!
    Infelizmente, existem muitas lojas abertas ao publico com produtos giros e diferentes, mas sem a minima noção de como se deve captar a satisfação das pessoas e com isso ter sucesso.
    Lamento, mas não é assim que lá vão. Aprendam!

Deixe uma resposta